Publicações recentes

Contributors

“JOSÉ AUGUSTO BARRETO” Filho ilustre de Nossa Senhora do Socorro

quarta-feira, 13 de junho de 2012

JOSÉ AUGUSTO BARRETO, sergipano de Nossa Senhora do Socorro, filho de José Barreto Góes e de Olga Soares Barreto, nasceu em 16 de julho de 1928. Morou na fazenda onde nasceu, viveu em Salgado, onde estudou as primeiras séries do curso primário, continuando os estudos em Aracaju, como interno do Colégio Salesiano, cursando os antigos cursos primário e ginasial. O curso científico fez em Salvador, no Colégio dos Maristas, inicialmente como interno. Ingressou na velha e respeitável Faculdade de Medicina da Bahia, onde foi selecionado e nomeado Monitor (Interno) da 1ª Cadeira de Clínica Médica, que tinha como titular o renomado professor e cardiologista Adriano Pondé. Durante o curso dedicava todo o seu tempo para aprender sempre mais. Formou-se médico na turma de dezembro de 1952. Já no dia 2 de janeiro de 1953 estava começando a trabalhar no Hospital de Cirurgia, a convite do Dr. Augusto Leite, a quem considerava “o maior vulto da Medicina em Sergipe, em todos os tempos.”

JOSÉ AUGUSTO BARRETO morava no próprio hospital, tinha uma sala para seus atendimentos particulares, uma vez que o Hospital das Clínicas Augusto Leite não cobrava dos seus pacientes. Em seguida, montou o seu Consultório no Edifício Aliança, na rua Laranjeiras, permanecendo ali de 1954 a 1969, quando passou para a recém criada CLÍNICA SÃO LUCAS. Conciliava seu Consultório particular, com os trabalhos do Hospital de Cirurgia, onde fazia o pré-operatório dos doentes de Augusto Leite e de Fernando Sampaio. Do seu convívio no Hospital destaca, dentre outras atividades, as reuniões com exposições e debates, promovidas pelo Centro de Estudos, que todas as quintas feiras, das 8 às 10 horas, reunia a elite daquela casa de saúde e avaliava casos, discutia temas, atualizando o conhecimento científico. Esta prática renasceria, mais tarde, nas atividades coordenadas por JOSÉ AUGUSTO BARRETO, na Clínica e no Hospital São Lucas.

JOSÉ AUGUSTO BARRETO foi médico, concursado e aprovado em 1º lugar, do IAPC, viajou para Michigan, nos Estados Unidos, em 1958, para reciclar seus conhecimentos em Cardiologia, em eletrocardiografia, atualizando-se, elevando assim o seu nome como clínico entre os sergipanos, crescendo sua imagem e, em conseqüência, aumentando o ritmo de trabalho. Casou-se, há 55 anos, com Maria da Conceição Azevedo Barreto, sua noiva desde os tempos de universitário em Salvador, sua companheira de todas as horas. Sobre ela, afirma: ‘Sem Ceiça, sem sua participação integral em todos os momentos da minha vida, sem seu amor não seria possível concretizar a obra.’ Com ela teve 6 filhos: Célia, Tereza, Martha, Paulo, José Augusto Filho e Ricardo, 3 dos quais médicos – Tereza, Martha e José Augusto Barreto Filho -, com participação científica no cotidiano do HOSPITAL. Os filhos nasceram e cresceram assistindo a dedicação do pai na construção da CLÍNICA e do HOSPITAL e viveram a atmosfera pesada com os dias de preocupações, as múltiplas dificuldades, dissipadas pela fé inquebrantável que movia a família em torno do projeto que agora atinge 40 anos, realizando o sonho dos seus fundadores e de todos os que tiveram a oportunidade de participar, como funcionários, como médicos, como outros profissionais, do esforço das famílias de JOSÉ AUGUSTO BARRETO e de seu parceiro DIETRICH TODT.

JOSÉ AUGUSTO BARRETO justifica que “quando tem uma meta luta até o fim”, como ensinava D. Helder Câmara, querendo referir-se a construção da Clínica, num local afastado como era, em 1969, o bairro São José, mas que “causou impressão agradável e organizou minha vida”, aludindo ao fato de que poderia viajar, sabendo que os seus colegas continuavam recebendo e tratando as pessoas que precisassem dos serviços da CLÍNICA SÃO LUCAS.

Mais tarde ele mesmo diria: “Fiz o HOSPITAL totalmente por idealismo”, ampliando a sua atuação, mesmo que não quisesse ser empresário e acreditasse nos valores intangíveis que movem o trabalho, embora tivesse grande admiração pelos homens de negócios, que dedicam capital e esforço, anos seguidos, em prol de um projeto. Sentiu, na reflexão que o cotidiano impunha, que o HOSPITAL era mais forte que a sua pessoa, e haveria de ter vida autônoma.

HOSPITAL SÃO LUCAS - UMA IDÉIA DE MÉDICOS
JOSÉ AUGUSTO BARRETO, Hugo Gurgel, Hider Gurgel, Nestor Piva, Carrera e João Garcez, adquiriram um terreno, no bairro São José, nas proximidades da Praça Tobias Barreto, com o propósito de construção de equipamentos de saúde, um hospital que pudesse preencher as lacunas que o velho Hospital das Clínicas Dr. Augusto Leite deixaria. A idéia, contudo, não prosperou. Cada um foi desistindo, sem realizar o plano de dotar a capital sergipana de um equipamento moderno e completo, para atender as necessidades da população. De todos, foi JOSÉ AUGUSTO BARRETO, já afamado cardiologista, com vasta clientela, o que tomou para si a iniciativa de construir uma Clínica, no terreno que adquirira, instalando-a e entregando-a ao uso público em 18 outubro de 1969, no Dia de São Lucas, o evangelista e médico sírio, Padroeiro dos Médicos.

O fundador da CLÍNICA SÃO LUCAS, JOSÉ AUGUSTO BARRETO acumulava as funções de clínico e de chefe do setor de Eletrocardiografia, o que indicava a tendência pela excelência em Cardiologia, que desenvolveu-se ao longo do tempo. Ao seu lado, Dietrich Wilhelm Todt, co-fundador, pneumologista baiano, atraído ao empreendimento por laços familiares e de amizade e confiança. Três médicos foram responsáveis pela organização do serviço de Radiologia: Airton Teles Barreto, Edson de Oliveira Freire e Conrado Neto. 

A parte referente aos Laboratórios ficou a cargo de Raimundo Araújo, contando com a colaboração de Joaquim Machado, que à época era estudante de Medicina. Mais adiante, participou da CLÍNICA o Dr. Rodolfo Barreto, com seu conceituado laboratório. Foram atraídos, também, os jovens médicos Henrique Batista, Geraldo Melo, que fizeram especialização no Rio de Janeiro, e mais Fernando Macedo, Maria Júlia Oliveira, Lauro Fontes, Evandro Sena e Silva e Gilton Rezende, que estiveram na linha de frente da CLÍNICA SÃO LUCAS, desde os seus primeiros passos, ajudando a construir uma história que vai sendo alongada no curso do tempo. Cabe destacar a presença colaboradora dos funcionários Antonio Mendonça da Cruz, Manoel Domício de Andrade, Osvaldo Bispo Paiva, Joel Guilherme de Brito e Maria Antonieta Nascimento, e do Contador Jurandir Conrado, que por anos seguidos, com dedicação e competência participou do projeto encabeçado pelos Drs. JOSÉ AUGUSTO BARRETO e DIETRICH TODT.

O Governador Lourival Baptista participou da solenidade de inauguração do Hospital São Lucas.
O Governador Lourival Baptista participou da solenidade de inauguração do Hospital São Lucas.

Aracaju tinha, então, a segurança para a sua população dormir tranqüila, que a URGÊNCIA da CLÍNICA SÃO LUCAS zelava pela saúde e bem estar de todos os que recorressem aos seus serviços, atendendo a domicílio e, em caso de internação, removendo os doentes para os hospitais Cirurgia e São José, utilizando uma ambulância própria. Nascia ali o conceito de acolhimento, que valorizava o doente como um ser semelhante, ao qual toda a atenção, acompanhamento e tratamento era dispensado. Um conceito dominante em 40 anos de atividades, visível nas múltiplas atividades desenvolvidas a partir de 1978, quando foi construído o HOSPITAL SÃO LUCAS, inaugurado no dia 30 de setembro daquele ano, cercado de toda a expectativa da população sergipana.

Dr. José Augusto Barreto e Dr. Dietrich Wilhem Todt.
Dr. José Augusto Barreto e Dr. Dietrich Wilhem Todt.

O primeiro convênio do Hospital São Lucas foi com o IPES,representado pelo seu presidente Eraldo Aragão. Na foto, Dr. José Augusto Barreto e Dr. Dietrich Todt.

O primeiro convênio do Hospital São Lucas foi com o IPES,representado pelo seu presidente Eraldo Aragão. Na foto, Dr. José Augusto Barreto e Dr. Dietrich Todt.
A experiência da CLÍNICA SÃO LUCAS, de 9 anos de prestação aperfeiçoada de serviços médicos e de saúde, levou JOSÉ AUGUSTO BARRETO a ampliar seus investimentos, empreendendo, com apoio do Programa FAS – Fundo de Ação Social, da Caixa Econômica Federal, a construção de um moderno HOSPITAL, incorporando a CLÍNICA SÃO LUCAS, que prestou relevantes serviços a Aracaju e a Sergipe, abrindo as suas portas e servindo o seu melhor atendimento a outras demandas, além do território sergipano.

Dr. JOSÉ AUGUSTO BARRETO resistia à idéia de se tornar empresário. Suas ações, até então, eram impulsionadas pelo amor e vocação plena pela Medicina, pela oportunidade de contribuir para amenizar a dor e o sofrimento dos seus semelhantes. Pensou, então, em criar uma Fundação, mas foi desaconselhado, Resolveu, então, aceitar o desafio e, contando com o apoio irrestrito dos que participam do trabalho da CLÍNICA, valeu-se do programa FAS, da Caixa Econômica Federal.

Fonte: saolucas-se.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário